«A sombra do que fomos» – Luís Sepúlveda

2016_07_05«Vais ler um livro sobre comunismo?», perguntaram-me ao ver o livro de capa vermelha pousado sobre a mesa. O preconceito deixa-nos sempre a perder e isso também se aplica à literatura. Comprei o livro sem saber muito bem o que esperar. Já conhecia alguns volumes da obra deste autor e acho que comprei este livro por impulso. Estava em promoção, comprei. E gostei!

O livro fala das marcas que a política, ao longo dos anos, deixou no Chile e nos chilenos. É sobre o Chile que se escreve, mas podia ser sobre outro país qualquer, porque todas as políticas – mesmo que só o consigamos perceber mais tarde – têm reflexos no caminho que as sociedades trilham.

A trama está muito bem construída, as personagens acabam por se entrelaçar e o leitor vai percebendo esse enlace ao longo dos capítulos, numa linguagem cativante que nos coloca exatamente no local da ação. O nosso sofá vai e vem, entra e sai nos cenários… uma maravilha! Pelo meio, a crítica mordaz ao comunismo e ao capitalismo, mostrando o que de pior estes modelos têm.

No final, num estilo que particularmente aprecio, o anti-herói (ou os!) sai vencedor.
É um livro pequeno, mas intenso. Lê-se rapidamente e deixa-nos satisfeitos e a pensar em como as nossas vidas são afetadas por decisões que não tomamos, por pequenos infortúnios.

Numa altura em que a política vive uma fase tão conturbada e instável, acho que vale a pena ler!

Muito Bom

Muito Bom

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s